sábado, 5 de abril de 2008

Dramaturgia nacional

Eu chego em casa do trabalho por mais ou menos no horário que a novela das oito começa. Ou seja, nove e abobrinha cozida. Geralmente, vou direto pro quarto ler gibis da Turma da Mônica estudar mandarim e outras línguas obscuras. Porém, ontem no momento que entrei, não resisti ao canto do sofá, e ele acabou me conquistando, com suas macias almofadas, e a conseqüente preguiça de levantar dali e/ou mudar de canal, acabei deixando o cérebro no modo "Em espera".

Aí começou. A Suzana Vieira eu lembro que interpretava uns papéis de mulheres que gritam com as inimigas, e sempre dizem a frase "não sou de levar desaforo pra casa". Só nos parcos momentos que vi, ela disse essa mesma oração umas 10 vezes pra três pessoas diferentes. Numa delas, estava a Marília Pêra. Serião, ela tava com uma cara de ter engolido uns dez caixotes de Prozac. Falava devagar e tudo era lindo e maravilhoso.

Bom, neste momento minhas necessidades fisiológicas foram mais fortes, e fui mijar. Quando voltei, pensei que o folhetim tinha terminado e havia começado "Carga Pesada". Mas era o Juvenal Antena, que fala que nem um débil também. Agora, se você for inteligente, deve ter reparado como os atores de Tv prolongam as frases. Isso por não existir história que se sustente de forma atraente por seis meses. Eles explicam tudo nos mínimos detalhes, e qualquer pessoa com um Q.I. maior que -15 descobre o que acontece no final de uma cena só com a abertura da novela.

Voltando ao Pedro, digo, Juvenal. Aí ele recebeu uma denúncia de qualquer coisa lá, e foi conferir. No momento que partiu, proferiu a frase "é uma cilada, Bino "Com o Juvenal é no pau", ou algo assim. Lembro quando o Eurico Miranda falou que o Bussunda tinha cara de bunda, e o humorista respondeu que ele era muito criativo para fazer uma frase com esse nível de rima. Aí imagino quanto um autor da Globo ganhar para fazer essa frase, "Com Juvenal é no pau".

Ah, lembrei da trilha sonora. A música acidental creme dental incidental era muito parecida com a de Resident Evil (o jogo, não o filme). Então, fiquei procurando a Jill Valentine, pois a tela estava cheia de zumbis, mas nenhum herói. Então, era esse meu desabafo. Nos próximos capítulos, mais um concurso de algum jornal da Globo para eleger a vala mais bonita da cidade.

---------------------------------------------------------------------------------------

Eu tardo, demoro, embromo, enrolo, digo que vou comprar cigarro e volto 10 anos depois, mas não falho. Tá, eu falho às vezes, mas deixa pra lá. A Lu me mandou um meme, todos sabem que odeio memes, mas esse vou responder por ser o único interessante até agora que eu vi. E mando um beijo pra Ju também, quando tiver um meme dos cinco melhores CDs eu entro também.

Ah, a porra da corrente é pra dizer os cinco autores, ou cinco livros, ou cinco de alguma coisa literária. Vou escolher os Top Five de minha preferência, e recomendo todos para pessoas que gostam de algo mais que "ler as imagens". Estes abaixo são meus escolhidos, se você não estiver de acordo, tenho outros.


O apanhador no campo do centeio - J.D. Salinger mostra como um adolescente pensa, e como eu penso daquele jeito, então ainda sou adolescente. E devolve minha bola, porra.


Misto Quente - Li este indicado pela Niquinha, e te garanto, é um dos melhores que já botei minhas cansadas vistas. Bukowski podreira.

Os irmão Karamazovi Três irmãos mais doidos que eu, o religioso, o bêbado e o muito bêbado. Adivinha com qual dos três mais me identifiquei, interrogação (meu teclado tá sem essa tecla).

Dom Casmurro -O Pelé das letras.

Os trabalhadores do mar -Vítor Hugo é mais conhecido por "Os miseráveis", que por acaso nunca li. Mas o que Gilliard (não o cantor) sofre nesse livro, olha, ticontá, é complicado.

O que não consigo ler, interrogação. Paulo Coelho. Só li o Alquimista, e ele repetia as palavras mais que certos blogs de humor que escrevem "olha, que engraçado-legal-divertido". E ponto. Beijo do Gordo.

6 comentários:

rick galdino disse...

Juvenal lembra o Ratinho...

Murdock disse...

"Trabalhadores do Mar" também é um dos meus preferidos, mas acho que o nome do personagem é Giliat...

Marcelo disse...

mas se eu botar gilliat nao tem piada, po

Lívia disse...

Uaaau, hein?!
TV ligada é sempre bom...
vira um bom abajur!
mas me diga, o Bonner ainda é âncora do JN?!

...
beijo!

Fada Safada disse...

Não vejo muito TV aberta, mas respeito quem ache humor em tantas bobagens.

Fui obrigada a ler o Alquimista que um amigo me emprestou. Tive que ler pra não fazer desfeita ao amigo, coisas de se viver na civilização.
Pois bem, odiei.

O Paulo Coelho escreve mal, muito mal. Eu tinha vontade de riscar o livro à caneta, corrigir as frases mal construidas, os erros de concordância nominal e verbal, tudo.

Devolvi o livro e ainda não entendo como o escritor vendeu tao bem este lixo literário.

NANA disse...

Se Paulo Coelho dependesse de blogueiro pra viver... tava f*$%#o!

Sem "?"
Já passei por isso!

Bjs.!