segunda-feira, 30 de julho de 2007

Na lojinha

Olhando mulheres gostosas no shopping, parei em frente a uma loja diferente. Mercadorias esquisitas, uns vidros fumegando de cor púrpura. Entrei e comecei a olhar o que estava escrito.

-Aí, quanto ta a garrafa de esperança?

-Quatro “conto”, três por dez.

-Demorou, e perspectiva, quanto tá?

-Perspectiva acabou, tá em falta.

-Porra, do que adianta esperança sem perspectiva?

-Olha, tô sem perspectiva pra vender, mas eu tenho muita ilusão encalha...digo, no estoque.

-Porquê tem tanta ilusão assim?

-Ah, têm muita matéria prima, a ingenuidade. Isso dá que nem música ruim em FM.

Entra uma senhora bem vestida (na verdade, mal vestida, mas ela acha) com cara blasé, me empurra e fala:

-Oi, olha só, eu vou numa passeata na praia hoje, e queria um pouco de hipocrisia.

-Quantas garrafas?

-Me dá todas (próclises, próclises), depois eu tenho uma reunião dos MSSMC (Moral, só se me convir), e preciso de hipocrisia para servir a erva.

-Erva?

-É, maconha, porra. Ou pensou que era chimarrão? Vendedor burro.

-Mais alguma coisa?

-Ainda têm um pouco de falsidade?

-Só sobrou discernimento. Serve?

-Acho que pra reunião, um vidrinho basta.

5 comentários:

Dona Ju disse...

Eu quero três garrafas de paciência... tem??
hehehe

Bjoooooooooooooooooooooooooooos

Franco disse...

é aqui q comenta?

Hanna Corrêa disse...

Quero um sachê de força de vontade :D
Cura preguiça, não cura?
Post muito boooooooooom
Aqui tá legal ;D
Só li alguns posts, mas tá legal ! ;)
Beijo tchau :*

Franco disse...

nao achei legal nao.. ;p
pq eu nao tenho foto nessa porra?!?!?!

Marcelo disse...

pq vc nao tm blog....dãããããããã